terça-feira, 12 de agosto de 2008


A morte chega cedo,

Pois breve é toda a vida

O instante é o arremedo

De uma coisa perdida.


O amor foi começado,

O ideal não acabou,

E quem tinha alcançado

Não sabe o que alcançou.


E a tudo isto a morte

Risca por não estar certo

No caderno da sorte

Que Deus deixou aberto.

1 comentário:

Ana Patrícia disse...

Tenho andado distante destas paragens de blogues e, hoje, que voltei, descobri o teu :) Tem a tua cor: o rosa :) E está bonito! Vou visitar-te mais vezes, agora que te descobri escrita ;)

Beijinho sereno